O que é espólio? Qual diferença entre monte-mor, acervo hereditário e monte partível no inventário?

Atualizado: Jul 25


INFOGRÁFICO: Exemplo de espólio, monte-mor e monte partível. Clique para ampliar


espólio

Espólio é a relação de todo o patrimônio que uma pessoa produziu em vida: bens e dívidas, direitos e obrigações.

O espólio, a partir do falecimento de alguém, fica sujeito ao processo de inventário para ser formalizado, transferido, atualizado e disponibilizado aos herdeiros, sucessores ou credores.


Os bens do espólio são avaliados quanto ao seu valor e qualidade. Geralmente os imóveis são avaliados pelo Valor Venal de Referência (que é um indicador gerado pela Prefeitura) e os veículos são avaliados pela Tabela Fipe. Para fins de inventário a avaliação dos bens do espólio é retroativa à data do falecimento.

monte-mor

Monte-mor é a soma do valor dos bens que constarão no inventário, ou seja, são todos aqueles bens que foram afetados pelo falecimento de pelo menos um dos proprietários legais.

O cálculo do monte-mor é composto por:

  • bens e direitos conquistados pelo falecido;

  • não incluí dívidas ou obrigações;

  • havendo imóveis, considera-se o total do valor venal de cada imóvel estipulado à época do falecimento, mesmo que:

- o falecido seja proprietário legal de apenas parte de cada imóvel;

- haja parte do meeiro;

- haja demais proprietários legais vivos (em caso de sociedades).

Quando uma pessoa falece deixando bens em conjunto com outras pessoas (por exemplo o meeiro ou sócios), este bem, ou todo o monte-mor que foi tocado pelo falecimento ficam impedidos de serem vendidos até que se conclua o inventário. Assim, mesmo que o meeiro ou sócio não herde a parte do falecido, é de interesse deles que se regularize o bem para que possam voltar a usufruir da possibilidade de vender este bem.

A nomenclatura "monte-mor" existe para identificar estes bens que foram afetados pelo falecimento de um de seus proprietários e que agora precisam ser regularizados através do inventário para retomar a todos os proprietários que restaram vivos direito de comercialização do mesmo beneficiando os herdeiros com o direito de propriedade, posse, uso, usufruto ou venda de suas respectivas partes.

acervo hereditário

Acervo hereditário é o mesmo que monte-mor.


O monte-mor também é conhecido como acervo hereditário, ou seja, tem a mesma função da nomenclatura "monte-mor".

monte partível

Monte partível é a soma da parte disponível dos bens para partilhar entre os herdeiros.


Em outras palavras, o monte partível é a soma do valor de apenas a parte que o falecido era proprietário legal e que agora com seu falecimento, ficou disponível para ser herdada (subtraindo as dívidas do falecido e até mesmo as despesas do funeral).

No cálculo do monte partível também subtrai-se a parte do meeiro, pois esta parte não está disponível já que é de propriedade individual do meeiro.


No Estado de São Paulo, o ITCMD é cobrado sobre o monte partível.

Por que essas nomenclaturas existem e quando são utilizadas?


Os termos monte-mor ou acervo hereditário, monte partível ou espólio existem para identificar determinada porção da herança, pois no processo de inventário, existem etapas, procedimentos, divisão de bens ou impostos que recaem de forma diferente sobre cada uma dessas porções.

Sintetizamos no infográfico acima qual parte da herança é envolve cada uma dessas nomenclaturas.

Direitos e Obrigações

No infográfico acima usamos a nomenclatura "direitos" e "obrigações".

Em um processo de inventário:


direitos: são bens, de valor intangíveis ou imateriais que podem ser transferidos aos herdeiros normalmente conquistados pelo falecido através de

  • uma promessa formal de um terceiro, por exemplo, o direito de usufruir de um bem móvel ou imóvel por determinado período, o que é muito comum nos novos moldes na economia compartilhada (ou compartilhamento de bens ou sharing economy);

  • futuros direitos não exercidos, por exemplo, um inventário anterior não formalizado;

  • bens inacabados, por exemplo, construções em andamento, quando a unidade individualizada adquirida na planta ainda não existe fisicamente ou documentalmente, mas o contrato de compra e venda confere "direito" à propriedade quando estiver concluída;


obrigações: são o lado oposto aos "direitos", ou seja, é quando o falecido fez promessas formais à um terceiro, pesando essa responsabilidade à herança, por exemplo:

  • o falecido assinou um contrato de locação com cláusula de extensão aos herdeiros e sucessores, ou seja, o falecido adquiriu contratualmente uma "obrigação" limitada à sua herança e pelo prazo contratual, portanto, os herdeiros deverão aceitar esse contrato de forma limitada aos termos do contrato assinado pelo falecido, proporcionando um direito ao um terceiro, no caso, o inquilino;


No processo de inventário serão listados todos os direitos do falecido, assim como as obrigações do falecido para que a herança possa supri-las.


Sobre o Autor:

Watzeck Advogados

Whatsapp: (011) 5061-9000

São Paulo/SP




Comente no box abaixo


O que achou dessa publicação? Foi útil ou ajudou você?


382 visualizações

Telefone e WhatsApp: (011) 3082-8888

portal@conewsnity.com

Av. Dr. Cardoso De Melo, 1855, Bloco 1, Conj. 52
Vila Olímpia, São Paulo, SP, CEP 04548-903, Brasil

 

conewsnity.com   |  CNPJ: 35.692.132/0001-06

WhatsApp Conewsnity
Ouça a pronúncia "Conewsnity"
  • Linkedin | Conewsnity Portal
  • Instagram | Conewsnity Portal
  • Facebook | Conewsnity Portal
  • Twitter | Conewsnity Portal
  • YouTube | Conewsnity Portal

Somos a única agência de marketing digital no mundo que possui o próprio portal colaborativo de notícias que entrevista especialistas de diversas áreas e publica informação de utilidade pública e entretenimento.

 

Se você conhece o fato, tem a notícia. Publique